sábado, 21 de outubro de 2017

CHAMADA - SESSÃO RETRÔ - NOVELAS

Irmãos Coragem (primeira versão), O Primeiro Amor, O Terceiro Pecado, Nossa Filha Gabriela, Sangue e Areia, grandes novelas que estarão em breve em cartaz na Sessão Retrô - Novelas!
Não percam!

PARA MEDITAR



SESSÃO FOTONOVELA - EU ESPERAREI POR VOCÊ...SEMPRE...SEMPRE

A fotonovela abaixo pertence à revista Amiga TV Tudo nr. 162, publicada em 26 de junho de 1973.
Para ler esta ou outra matéria em tamanho maior, caso use o Explorer ou Chrome, clique sobre a figura com o botão direito do mouse e selecione a opção "abrir link em uma nova guia". Na nova guia, clique com o botão esquerdo do mouse e, pronto, terá acesso a uma ampliação da página. Caso o navegador seja o Firefox, clique sobre a figura com o botão direito do mouse e selecione a opção "abrir em nova aba". Em seguida, proceda como no caso dos dois outros navegadores citados.
Boa leitura!

















sexta-feira, 20 de outubro de 2017

SESSÃO CAPAS E PÔSTERES

A capa pertence à revista Amiga TV Tudo nr. 162, publicada em 26 de junho de 1973.
Já o pôster à revista Contigo nr. 291, que foi às bancas em 09/11/79.
Boa diversão!



SESSÃO FOTO QUIZ

A foto da semana passada pertence à cantora e compositora Marisa Monte.
Agora tentem descobrir quem é a garotinha da foto.
Eis algumas pistas:
1) Esta cantora e compositora, já falecida, nasceu na capital capixaba no ano de 1942.
2) Seu primeiro álbum saiu no ano de 1964.
3) Ficou conhecida por sua participação na bossa-nova, mas também foi sambista e aderiu ao movimento do tropicalismo.
Boa diversão!


quinta-feira, 19 de outubro de 2017

ESCLARECIMENTO E PEDIDO DE DESCULPAS

Lamentavelmente, por uma falha nossa, deixamos de publicar as Sessões Leitura e Abertura de Novela no dia 12 deste mês, uma quinta-feira.
Para não alterar a ordem das publicações, elas foram colocadas em sua data original.
Assim, pedimos que visitem as sessões da data já citada nos links abaixo:
Pedimos desculpas por nosso erro e esperamos contar com a compreensão de todos.
Um abraço!

SESSÃO LEITURA - A CARTA - ADRIANA FALCÃO

O texto abaixo é de autoria de Adriana Falcão.
Para maiores informações da autora, favor acessar: http://www.releituras.com/adrifalcao_carta.asp.
Boa leitura!

A CARTA

Prezada Nena,

Espero que esta lhe encontre gozando de muita saúde, assim como todos os seus.
Nem três meses faz que a gente chegou aqui e já deu pra reparar que as diferenças daí são muitas, porém são muitas também as parecenças.
Este Rio de Janeiro é tão amostrado, Nena, que parece até que a gente tá na França de tanto canto lindo que aparece. Por outro lado, tem hora que dá pra jurar que aqui é aí, tamanha a desgraceira. O povo daqui, sendo rico ou sendo pobre, fala igualmente alto. Só não sei o motivo de tanta gritaria, se é falta de alegria ou se é falta de tristeza.
O Maracanã é grande mesmo, e se a pessoa for arrodear ele a pé leva bem meia hora, Nena.
A Lagoa por fora é uma beleza, infelizmente é estragada por dentro.
O que você não ia acreditar era em cada túnel, não sei quantos, devido ao fato de aqui ter muita pedra. O Cristo Redentor, quando acende lá em cima, é todinho o Cristo Redentor, exato como ele aparece nas novelas. Já o Pão de Açúcar, esse de fato são dois, o maior e o menor, mesmo tendo nome de um apenas. Se Nossa Senhora me der um tantinho assim mais de coragem, juro que ainda tomo aquele bonde.
O céu daqui fica muito mais perto do chão do que o daí. É só olhar pro topo dos prédios e lá está ele, parado, logo ali em cima, diariamente. Dia que tem nuvem só se enxerga o pé do morro. Noite que tem chuva só se escuta a choradeira.
A gente vai levando como Deus quer e consente, ora é uma coisa, ora outra, ora nem uma coisa nem outra, e é aí que o negócio pega. De trabalho mesmo só me apareceu uma faxina, dia de quarta, na casa de uma mulher que mora em Copacabana. Ela não paga muito não, em compensação tem tanta prata que dá até gosto limpar tudo e depois empilhar bem direitinho.
Avise a Neto que, quando as coisas melhorarem, eu começo a juntar dinheiro pra comprar o celular dele. Quem sabe até o fim do ano eu deposito uns duzentos. Mande dizer o número da conta, mas copie com cuidado, que de outra vez o algarismo veio errado e foi uma agonia de vai no banco e volta não sei quantas vezes, isso que você não avalia o tamanho da fila.
Não fosse a perna de mãe que não desincha nem com antibiótico nem com rezadeira, de resto tudo tá mais ou menos nos conformes. Só não sei dizer o que é pior, se é o custo de vida ou a saudade, pois aqui não tem cheiro de cana, Nena, e até hoje não vi um único pé de algaroba pra chorar mais eu, portanto tenho que chorar sozinha.
Eu continuo procurando um quarto grande que dê nós quatro dentro, pois morar de favor na casa dos outros, além de ser bastante desagradável, ainda por cima é ruim demais. Por mais que se ajude na despesa e no serviço, pensa que resolve? Olhe que se tem coisa que eu não sou é desagradecida, mas tia Carminha vive de cara feia, e as meninas reclamam de tudo, é um aperto danado, imagine só o desmantelo. Tem dia que eu me dano a andar cidade afora somente pra não escutar queixa por queixa. Esquecendo as desavenças, vai se indo.
Para o mês, Mariinha completa quinze anos. Na ausência de festa, faz-se um bolo. Ela está namorando um rapaz muito direito que toma conta de carro em rua de rico, embora eu pense que ela ainda não esqueceu Zé Geraldo aí do posto. Júnior arrumou emprego, mas desarrumou em seguida, e tá parado no momento. Eu mesma já repeti mais de mil vezes pra ele largar de ser desleixado e tratar logo de aprender a mexer em computador, pois hoje em dia quem não se entende com o dito não arranja nada decente nessa vida. Pelo visto ele puxou mesmo ao pai, inclusive na leseira.
Por falar no desinfeliz do pai dele, já bati a cidade inteira e ainda não encontrei o homem. Também, como é que eu ia adivinhar que o Rio de Janeiro era tão grande?
Tenho pra mim que ele tava era me enganando o tempo todo com essa conversa de mandar buscar a gente no Natal, ou então não teria escrito o endereço errado, que essa tal rua que ele falou nem existe, Nena.
Se eu encontrar o triste, ligo a cobrar avisando. Dia de domingo é mais barato. Mesmo não encontrando, ligo de todo modo, uma vez que, com homem ou sem ele, a vida segue.
Nena, não se esqueça de aguar minhas plantas nem de dar de comer à Duquesa.
Deus lhe pague em dobro tudo que você fez por mim, por mãe e pelos meninos.
A sorte ajudando, dia desses eu tiro na raspadinha e mando passagem de leito pra você mais Neto virem conhecer o Rio. Reze daí que eu rezo de cá.
Dê lembranças minhas a todos e aceite todo o carinho da sua eterna amiga,

Doris.